Carta do Gestor

JUN | 2021
PDF |

Carta do Gestor

Opportunity Total FIC FIM

Desempenho do Fundo em maioO Opportunity Total encerrou o mês com alta de 1,11%. O resultado foi proporcionado pelos ganhos no mercado acionário doméstico 0,87%, juros 0,09% e câmbio 0,32%.

Cenário para a Economia e MercadosMantemos nossa visão construtiva para o cenário global nos próximos meses. Após grande divergência na fase inicial, com a liderança dos EUA e Reino Unido, a imunização passou a avançar em ritmo forte também nos demais países centrais, como a Zona do Euro, China e Japão. Tal progresso vem permitindo a reabertura ordenada e segura das economias no hemisfério norte, que deverão experimentar um crescimento anualizado próximo aos dois dígitos no segundo e terceiro trimestres do ano.

O ambiente de redução consistente dos riscos associados à pandemia deverá continuar  sustentando o apetite global por risco, em particular no mercado acionário. A perspectiva de que as economias emergentes deverão promover importante aceleração nos seus respectivos programas de vacinação tem favorecido a ampliação do fenômeno do reflation para os ativos desses países, com destaque para ações e moedas de países exportadores de commodities.

Acreditamos que essa tendência deverá se estender no curto prazo, a despeito dos sinais crescentes de aumento das pressões inflacionárias. De fato, um pilar essencial para o atual ambiente pró-risco decorre da postura momentaneamente complacente dos principais bancos centrais, em particular do Federal Reserve (Fed). A avaliação presente da autoridade monetária norte-americana de que a alta recente dos preços, embora mais forte do que o antecipado, reflete fatores em larga medida transitórios, vem permitindo aos mercados precificar de maneira bastante gradual o tema da normalização da inflação, sem maiores sobressaltos aos ativos de risco. Isso posto, uma eventual alteração em tal postura de “paciência” é um dos riscos centrais a serem monitorados no curto prazo.

Outro risco relevante no plano global está relacionado ao desconforto demonstrado pela China com a escalada dos preços das commodities. Nas últimas semanas, verificou-se o acirramento da retórica de autoridades em oposição a ações “especulativas”, com relatos na mídia local de que o governo estaria pressionando as empresas a reduzirem suas atividades de estocagem, além da introdução de restrições às operações nos mercados futuros. Embora tais medidas não sejam capazes de subverter os sólidos fundamentos nesses mercados, permanecemos atentos a esses sinais, que podem desembocar em ações mais concretas a fim de contrapor o forte crescimento da demanda, tais como aperto das condições monetárias e creditícias.

Em maio, os ativos domésticos foram beneficiados pelo ambiente global favorável, com alta expressiva do mercado acionário, forte apreciação do real e redução dos juros futuros. Como havíamos destacado em nossa Carta Mensal anterior, houve importante mudança de humor com a aceleração das entregas do Programa Nacional de Imunização. Apesar das falhas no calendário impedirem uma aceleração maior no ritmo de vacinação (o ritmo atual de 500 mil doses diárias é frustrante diante da capacidade total do sistema), a perspectiva de vacinação de grande parcela da população adulta acima de 18 anos até meados do terceiro trimestre mantém as expectativas positivas para a evolução da atividade econômica nos próximos meses.

Ainda, as surpresas positivas no fronte da atividade e da solvência fiscal contribuíram de maneira importante para a redução dos prêmios de riscos no mês passado. O excelente desempenho da atividade no primeiro trimestre, produziu substanciais revisões para a projeção do crescimento do PIB em 2021, que já supera o patamar de 5%. Reforça-se, portanto, a ideia de que a economia brasileira vem ganhando crescente resiliência às restrições impostas pela pandemia, devendo seguir o caminho trilhado pelas economias avançadas e manter um forte ritmo nos próximos trimestres com a evolução da reabertura.

Juntamente com as surpresas positivas com o crescimento, a alta da inflação tem ajudado sobremaneira a dinâmica fiscal de curto prazo. Com efeito, as novas projeções apontam para relação dívida/PIB ao redor de 83% ao final do ano - patamar significativamente abaixo das projeções de mercado realizadas até recentemente, superiores a 95%.

É importante reconhecer que essa melhora reflete efeitos temporários, como os efeitos da forte alta da inflação de matérias-primas sobre as estatísticas do PIB nominal, além da rápida recuperação da atividade em relação a queda observada no ano passado – fatores que não se repetirão à frente. Assim sendo, a questão central para a dinâmica fiscal de médio prazo permanece associada às reformas necessárias para a limitação dos gastos obrigatórios e recomposição do superávit primário estrutural. Entendemos que as perspectivas para tais reformas até o final do atual governo continuam diminutas, não sendo prudente extrapolar de maneira permanente a melhora recente das estatísticas fiscais. De qualquer forma, é inegável que a dinâmica fiscal mais benigna tem efeitos positivos sobre o prêmio de risco, ao menos no horizonte próximo.

Estratégia do FundoMantemos o core da nossa alocação dos últimos meses, privilegiando a exposição nos mercados acionários dos EUA e local. Na carteira doméstica, continuamos posicionados em empresas beneficiadas pelo tema da “reflação” global (setor de commodities) e da reabertura doméstica (setores de shopping e varejo físico).

No mercado de juros, após vários meses, voltamos a adicionar posição direcional nos títulos indexados à inflação, que deverão se beneficiar pela redução de curto prazo nos riscos de solvência da dívida (queda da taxa real de juros) e pela aceleração da inflação (aumentos nas taxas de inflação implícita dos títulos). Já na curva de juros nominais, mantemos exposição neutra em função dos riscos de que o ciclo de ajuste monetário venha a ser mais prolongado. Já no mercado de juros internacionais, seguimos com exposição tomada na curva americana, à luz dos riscos de sobreaquecimento da economia, e de países emergentes sujeitos à possível mudança na postura dos bancos centrais.

No mercado cambial doméstico, aumentamos a exposição vendida em dólar, em função da crescente possibilidade de maior aperto monetário, perspectivas mais favoráveis para a vacinação e redução do risco fiscal.

5555 Carta do Gestor

Fundos de Investimento não contam com garantia do administrador, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro, ou ainda do Fundo Garantidor de Crédito - FGC. - Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. – Leia o prospecto e o regulamento antes de investir. – Em atendimento à Instrução CVM nº 465, desde 02/05/2008 os fundos de ações e multimercado deixaram de apurar sua rentabilidade com base na cotação média das ações, passando a fazê-lo com base na cotação de fechamento. Assim, comparações de rentabilidade devem utilizar, para períodos anteriores a 02/05/2008, a cotação média dos índices de ações e, para períodos posteriores a esta data, a cotação de fechamento. - Fundos de investimento em ações e fundos de investimento multimercado podem estar expostos à significativa concentração em ativos de poucos emissores, com os riscos daí decorrentes. - Os fundos de investimento citados neste material podem utilizar ou aplicar em fundos de investimento que utilizam estratégias com derivativos como parte integrante de sua política de investimento. Tais estratégias, da forma como são adotadas, podem resultar em significativas perdas patrimoniais para seus cotistas, inclusive acarretar perdas superiores ao patrimônio investido e a consequente obrigação do cotista de aportar recursos adicionais para cobrir o prejuízo do Fundo. – Para fins de resgate, a data de sua solicitação, a data de conversão das cotas e a data de pagamento diferem entre si em todos os fundos de investimento citados neste material. - Os fundos Multimercados citados nesta apresentação estão autorizados a realizar aplicações em cotas de fundos de investimento que aplicam seus recursos em ativos financeiros no exterior, na forma e nos limites estabelecidos na regulamentação vigente. -Todas as opiniões aqui contidas foram elaboradas dentro do contexto e conjuntura do momento em que o relatório foi editado, podendo mudar sem aviso prévio. – Algumas das informações aqui apresentadas podem ter sido obtidas de fontes de mercado. - Apesar de todo o cuidado em sua coleta e manuseio, o Opportunity não se responsabiliza pela publicação acidental de dados incorretos.